ARTIGOS

HOME > ARTIGOS



HOME > ARTIGOS




ARTIGO


O Preço das Promessas

A capacidade de prometer e cumprir é uma das principais características que definem uma pessoa.

Publicada em: 23/03/2010



"O homem é um animal que faz promessas" (F. Nietzsche).
 
O cimento que mantém sólidas as relações sociais é o compromisso. Os compromissos são o fundamento da mais simples relação conjugal até a mais complexa organização humana. E os compromissos se originam das promessas.

Mas são poucas as pessoas que prestam atenção às promessas que fazem, aos seus próprios compromissos. Poucos são aqueles que entendem como são profundas as consequências negativas de promessas quebradas e dos danos que trazem para as boas relações inter pessoais e a paz interior.

A capacidade de prometer e cumprir é uma das principais características que definem uma pessoa.

Para tornar viável uma ação é preciso orientar as expectativas e, em seguida, ter a certeza de que as expectativas serão efetivadas. No momento em que a promessa é cumprida, a visão do futuro criada pelo compromisso se realiza. Mas quando as expectativas não se cumprem, surgem os problemas. Surgem as cobranças, os preços a serem pagos pela frustração criada.

Quando uma promessa alcança o outro, e ela é aceita, torna-se um compromisso. E o compromisso é um contrato, um ato verbal pelo qual alguém se compromete a produzir algo, através da materialização de certas ações.

As promessas são responsabilidade de quem promete. Assim, ao fazer uma promessa, quem se compromete deve saber que o faz com absoluta responsabilidade.

- "Ah, mas ele insistiu tanto, que eu tive que dizer sim."

Quando diz "eu prometo", você está assumindo as consequências de honrar o compromisso. Se não quer ou não pode fazer o que lhe é pedido, a única resposta sensata é fugir do compromisso, é o - "não é possível!".
 
Podemos transferir para outro as ações necessárias ao cumprimento de uma promessa, mas a responsabilidade do compromisso assumido não é delegável. Quem faz a promessa, firmando o contrato verbal fica comprometido, mesmo que sua promessa implique no envolvimento de outras pessoas na realização daquela ação.

Um dos elementos mais sérios com relação às promessas é o de que muitas vezes elas fazem parte de uma rede, uma cadeia de outros compromissos. A quebra de um dos elos dessa sequência de compromissos interligados determinará a perda da harmonia de funcionamento de qualquer instituição, seja ela uma amizade, um casamento ou uma empresa.

Mas o cumprimento das promessas, a materialização do contrato em que implicam, é sempre imprevisível, pois ele depende do "risco de execução". Quanto mais arriscada for a promessa, ou seja implicar em grandes exigências com menores recursos, é possível que algo falhe.

As promessas que surgem em condições coercitivas, impostas, ao retirarem do compromisso que se estabelece seu caráter livre e voluntário, colocam todo a dinâmica daquela relação numa arriscada armadilha, aumentando muito o "risco de execução".
 
[email protected]

23.03.2010



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: