HOME > NOTÍCIAS



HOME > NOTÍCIAS




MEDPLAN 20 ANOS


Medplan 20 anos: confira os vencedores do concurso de redação para colaboradores

O plano de saúde promoveu o concurso para que eles pudessem contar sua relação de vida com a operadora

Publicada em: Sexta-feira, 11 de Agosto de 2017



Para celebrar os 20 anos do Medplan com os colaboradores, o plano de saúde promoveu um concurso de redação para que eles pudessem contar sua relação com a operadora de saúde. Lindos e emocionantes relatos foram contados, a comissão organizadora teve um difícil papel de escolher as três que mais se destacaram entre os 16 textos recebidos.

A redação vencedora foi da colaboradora Ellen Cristina Gomes de Sousa, que está no Medplan há cinco anos. Ela traduziu sua história com o plano de saúde em forma de gratidão, como pode ser lido no trecho abaixo:

“Tenho um coração grato pelos 5 anos que também participei dessa caminhada, um coração grato pelas experiências tidas, um coração grato pelas pessoas que encontrei, um coração grato por tudo que aprendi, um coração grato por estar em um lugar que tem como luz de sua caminhada cuidar e zelar pelo bem mais precioso que cada ser humano pode ter: a Vida.”

O segundo lugar ficou para a jovem colaboradora Ananda Karen da Silva Freitas, que tem 18 anos de idade e está há três meses na empresa. Em sua redação, é possível perceber a empolgação e a satisfação de poder contribuir tão cedo com o Medplan:

“(...) Com certeza ‘’fazer parte’’ é um sentimento claro, e o animado ‘’bom dia!’’ agora sou eu quem exclama no início da manhã e, aparentemente tão pouco, não poderia render uma grande história, mas garanto que pode produzir um grande sentimento, o de gratidão, que também se multiplica em amor e satisfação no que faço, que mesmo sendo simples me traz a certeza de que posso sempre ser melhor (...).”

A veterana colaboradora Nairene Karla de Sousa e Silva ficou com o terceiro lugar. Em 15 anos de histórias com o Medplan, a que mais se destaca é a relação concreta que o plano proporcionou em sua vida:

“O Medplan foi minha escola, minha casa, meu divã. (...) Uma relação concreta que me permitiu investir em conhecimento, em bens, em cultura e em outras vidas.”

Confira na íntegra, as redações vencedoras:

Ellen Cristina Gomes de Sousa – 1º lugar

Minha História com o Medplan

Tinha que acontecer!

Aceitar os desígnios da Vida nem sempre pode ser fácil. O caminho que trilhamos aqui começa a fazer sentido quando passamos a não nos questionar dos porquês que ela nos traz, mas sempre intuitivo procurar compreender que cada ação pela lei natural do Universo tem uma reação e que tudo tem um motivo para acontecer.  

Essa compreensão é o farol da Minha história com o Medplan ao qual eu posso resumir em uma única palavra: “Maktub”, ou simplesmente “estava escrito ou tinha que acontecer”. Maktub uma palavra de origem árabe, resume aquilo que geralmente não conseguimos explicar, e aquilo que outras pessoas também não conseguem, nos faz compreender que não podemos mudar o passado e nem o futuro, mas podemos aceitar o presente.  

Quem nunca se viu diante da seguinte situação, indagando se uma coisa ou outra não tivesse acontecido, como teria sido? Se eu não tivesse agido de determinada forma, em determinado lugar e hora, o que teria acontecido depois? Se não tivesse feito isso mas sim aquilo, será que poderia ter sido diferente? São tantas situações e tantos questionamentos... Nos indagamos sobre tudo mas não sabemos como responder, não saberemos como poderia ter acontecido porque afinal só sabemos do presente, do aqui e do agora. Talvez seja esse o conflito da alma humana, perguntas sem respostas e caminhos sem voltas, a decisão tomada torna-se pretérito, e não é cabível voltar.  

Minha história com o Medplan é essa tomada de decisão, esse caminho de lutas e oportunidades que traduzem que o sentido da vida é pra frente. O início dessa história envereda o número 13 tão significante por ser a data do meu nascimento e a data de tantas outras datas importantes para mim, também se fez o dia 13 de julho de 2012 o marco de um novo ciclo na minha história, na minha vida. Eu recém saída do ensino médio, com 18 anos a procura do primeiro emprego e sem nenhuma experiência profissional, abri minha mente e minha alma para o novo e a tudo o que o Medplan pudesse me acrescentar, e com a garra de que mesmo sem saber se a caminhada daria certo ou não aprendi a cultivar o respeito pelo próximo, e que o simples desejar “bom dia” ou “boa tarde” faz  toda diferença quando virá hábito, e de que o seu ambiente de trabalho também pode ser um lugar de trocas e de aconchegos, de firmar laços de amizade e de comprometimento com o todo.  

Talvez eu poderia ter procurado outra oportunidade por achar que aquela que me foi dada era grande demais pra mim, talvez tivesse sido fraca o suficiente para não encarar os desafios que me foram postos quando lá cheguei, talvez tivesse me entregue as lágrimas que derramei por não desempenhar com perfeição o meu trabalho da maneira como as tarefas eram solicitadas, talvez eu tivesse dito “não” à oportunidade que o Universo me entregava e as oportunidades que o Medplan me trouxe justamente no momento que realmente eu mais precisava. Mas como tudo na vida só o tempo trouxe a resposta, que hoje me faz compreender que desde o começo eu havia ganho um presente e não um desafio.  

Todas as dúvidas, se eu estava no lugar certo ou não, ficaram no talvez, porque compreender o significado de Maktub me permitiu compreender que eu estava sim na hora e no lugar que eu deveria estar vivenciado tudo o que vivenciei até hoje, conhecendo as pessoas que conheci, me permitindo tornar a profissional que sou mas sobre tudo a pessoa que me tornei.  

Quando olho ao redor percebo que o Medplan é o meu lugar, é onde eu deveria estar, e é também o lugar de muitas Marias, de muitas Franciscas, de muitos Raimundos, de muitos Josés, é o lugar de quem o abraça e de quem o cuida como se fosse seu.  

Dos 20 anos que o Medplan caminhou até aqui, tenho um coração grato pelos 5 anos que também participei dessa caminhada, um coração grato pelas experiências tidas, um coração grato pelas pessoas que encontrei, um coração grato por tudo que aprendi, um coração grato por estar em um lugar que tem como luz de sua caminhada cuidar e zelar pelo bem mais precioso que cada ser humano pode ter: a Vida.

Ananda Karen da Silva Freitas – 2º lugar

Pequeno tempo, grande experiência.

Somos o somatório de todas as experiências que vivemos, e de tudo que a vida habitualmente pode nos proporcionar, provavelmente a minha história não é diferente, ela também não é maior, nem com o maior número de aventuras, mas creio que não menos importante.

Um plano que tem 20 anos de história já traz consigo um porte relevante de respeito, um tanto quanto diferente de uma jovem com pouco menos que isso, 18 anos ainda é uma idade de experiência e de bastante coisa pra ser vivida... Porém, essas duas histórias se encontraram.

Talvez como um presente da maioridade, depois de alguns estágios, e um período difícil, acontece então a seletiva para esta vaga, creio que já saltava aos olhos usar essa farda que particularmente acho linda, mas também algo mais me chamava atenção, como um bom aluno de administração a expressão ‘’ambiente organizacional’’ sempre vem à mente, o tal ambiente aqui chamou-me logo atenção, a tranquilidade, a forma como os funcionários de um jeito tão simpático davam ‘’bom dia!’’, logo pensei ‘’eu com certeza ficaria feliz vendo todo dia esse jardim’’.

Não faz muito tempo é claro, mas de todas essas manhas uma série de aprendizados já me acrescentaram, o trabalho em equipe, a valorização do colaborador, aprendi a escutar tanto críticas construtivas como elogios também, e coisas simples que irei agregando, somando, e multiplicando e até dividindo.

Enfim, três meses se passaram, e com certeza ‘’fazer parte’’ é um sentimento claro, e o animado ‘’bom dia!’’ agora sou eu quem exclama no início da manhã e, aparentemente tão pouco, não poderia render uma grande história, mas garanto que pode produzir um grande sentimento, o de gratidão, que também se multiplica em amor e satisfação no que faço, que mesmo sendo simples me traz a certeza de que posso sempre ser melhor, que sempre teremos um plano pra conseguir resolver com a garantia de ser mais uma vez o melhor plano, a empatia para com o outro, a confiança que o cliente transpassa no aperto de mão, e como disse Aristóteles: ‘’Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito’’. E o que o futuro reserva? Os próximos 20 aniversários irão nos dizer.

Nairene Karla de Sousa e Silva – 3º lugar:

Minha história com o Medplan

Mais um dia quente em Teresina. O sol causticante lá fora anunciava a chegada de um sujeito estranho, falando alto, forte e com nome de gente famosa: “Dante Alighieri”. Meio desconfiada comecei a ouvir aquela prosa. Só conseguia pensar que ele precisava muito daquele emprego, pra andar naquela hora, naquele sol e com aquele corpo, até que ele me fez refletir sobre a situação da saúde pública do nosso país, e me pediu um voto de confiança, apesar de ter apenas um papel na mão, disse que o seu produto iria mudar a minha vida. E mal sabia ele o que realmente falava.

Após muitas idas e vindas, o Medplan passou a ser conhecido em minha casa até que entendi que seria uma boa opção no momento, pois tinha uma criança recém nascida, era um plano acessível e tinha endereço de Teresina. E assim já se foram 17 anos.

Dois anos após conhecer o Medplan como cliente, surgiu a oportunidade de conhecer como funcionária, afinal, a minha filha já estava crescida e eu precisava retornar ao mercado de trabalho. O respeito pela empresa e a confiança já estabelecida me permitiram prosseguir e acreditar que daria certo. Me esforcei muito para ser e estar à altura da função, dos clientes e da credibilidade. Não foi fácil. Por muitas vezes pensei em desistir ou que desistiriam de mim. Por dois anos, como operadora de call center, aprendi muito sobre coisas que jamais imaginei. Atender uma mãe na madrugada, completamente assustada porque o filho está em surto psicótico sentado em cima do fogão vai além de uma habilidade operacional. Nas diversas situações em que me deparei, amadureci e compreendi que podia e a empresa me permitia avançar.

Vontade de desistir? Tive. Por várias vezes. E quando menos esperava, eu me surpreendia. Fui promovida! Assim eu considerava. Setor de Encaminhamento era o meu novo desafio. Transpor a barreira do contato com o cliente, o telefone não seria mais minha defesa, agora era olho no olho. Tremia muitas vezes diante de situações improváveis. Nessas horas o script não fazia sentido e o que valia era o bom senso e a empatia. Já se foram 15 anos. E como aprendi: “quanto maior a competência maior a exigência”!

O Medplan foi minha escola, minha casa, meu divã. Onde superei as minhas maiores frustrações. Fiz amigos e talvez algum inimigo. Alguns viram minhas lágrimas, outros apenas o meu sorriso.

Nesses anos, o Medplan deixou de ser apenas o papel com uma marca que o Dante me apresentara, mas uma relação concreta que me permitiu investir em conhecimento, em bens, em cultura e em outras vidas. Como aprendi com os nossos clientes! Ver a superação, o desabafo, a angústia e a alegria de cada um tornavam os meus dias mais dinâmicos e exaustivos. Dias que se passam até hoje.

Medplan é a confiança quando eu mais preciso.

A.R