NOTÍCIAS

HOME > NOTÍCIAS



HOME > NOTÍCIAS




SAÚDE


Dieta que reduz risco de Alzheimer também é indicada para quem sofreu AVC

Criada para promover a saúde do cérebro, a MIND prioriza o consumo diário de vegetais, nozes, feijões, peixes, aves, grãos integrais, azeite e bem pouco de vinho tinto.

Publicada em: 29/01/2018



Depois de um estudo comprovando que a dieta MIND pode reduzir o risco de desenvolver Alzheimer, pesquisadores resolveram avaliar como essa alimentação pode beneficiar pacientes que sofreram um AVC. Desenvolvida pela professora Martha Clare Morris, da Rush University Medical Center, a dieta MIND é uma mescla da DASH, criada para diminuir a pressão arterial, com a mediterrânea.

Criada para promover a saúde do cérebro, a MIND prioriza o consumo diário de vegetais, nozes, feijões, peixes, aves, grãos integrais, azeite e bem pouco de vinho tinto. A recomendação é evitar carnes vermelhas, manteiga, margarina, queijos, doces, frituras e fast-food.

Uma equipe da Rush University Medical Center, incluindo a idealizadora da dieta, resolveu descobrir se há um vínculo entre a adesão à dieta MIND e uma taxa mais lenta de declínio cognitivo em pacientes que sofreram um AVC. As descobertas foram apresentadas em uma conferência internacional sobre derrame, realizada neste mês, em Los Angeles, na Califórnia.

Acidente vascular cerebral e demência

"Sabemos que os sobreviventes de AVC são duas vezes mais propensos a desenvolver demência, em comparação com a população em geral", explica Laurel J. Cherian, principal autora da pesquisa. Como o estudo anterior sobre a dieta mostrou que as pessoas que aderiram à MIND foram avaliadas cognitivamente como se fossem 7,5 anos mais jovens, Cherian quis avaliar se isso também seria possível entre os sobreviventes de AVC. O estudo conduzido por Lauriel foi realizado com 106 participantes que tiveram um AVC. Eles foram avaliados por cerca de quatro anos, sendo que fizeram um teste por ano para avaliar o nível de declínio cognitivo. Os participantes registraram sua dieta usando um questionário de frequência alimentar, que permitiu aos pesquisadores identificar cerca de quatro anos, sendo que fizeram um teste por ano para avaliar o nível de declínio cognitivo. Os participantes registraram sua dieta usando um questionário de frequência alimentar, que permitiu aos pesquisadores identificar o nível de aderência à dieta (alta, média e baixa).

De acordo com a equipe, "a alta adesão à dieta MIND foi associada a uma taxa substancialmente mais lenta de declínio cognitivo em sobreviventes de AVC".

No entanto, os participantes que acabavam seguindo mais a dieta DASH ou a do Mediterrâneo não tiveram os mesmos benefícios. "Essas duas dietas já demonstraram ser positivas para outras doenças, como as arteriais, mas parece que os mas parece que os nutrientes da MIND são os mais adequados para a saúde do cérebro e para preservar a cognição", afirma Cherian.

Ainda são necessários mais estudos para validar os achados da equipe e avaliar os resultados a longo prazo dessa dieta. No entanto, Cherian acredita que os resultados preliminares já trazem informação suficiente para incentivar os resultados preliminares já trazem informação suficiente para incentivar os pacientes que sofreram um AVC a encarar os alimentos como ferramentas para otimizar o cérebro.

Fonte: Uol

Enviada por J.C.

Edição: A.N.



Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.







Destaques: