HOME > MINHA HISTÓRIA



HOME > MINHA HISTÓRIA




MINHA HISTÓRIA


Josiana Maranhão: Líder com equilíbrio entre a razão e a emoção

Josiana Maranhão da Costa e Silva, supervisora do Call Center Medplan, está há 8 anos na empresa, mas este não é o único motivo para que todos a conheçam. Ela é uma líder nata e vive sob o equilíbrio entre razão e emoção.

Publicada em: 2007-05-04 14:53:24

Ela vive sob o equilíbrio entre razão e emoção. Josiana Maranhão da Costa e Silva, supervisora do Call Center Medplan, está há 8 anos na empresa, mas este não é o único motivo para que todos a conheçam. Ninguém discorda da simpatia nem fica indiferente ao sorriso desta funcionária, que trabalha com a convicção de que pode aprender e fazer melhor todos os dias.
 
?Foi uma escolha minha seguir esta profissão. Identifico-me com o atendimento ao cliente por telefone?, afirma. Mas antes de ter essa certeza, Josiana foi vendedora. ? De quê? ?De tudo!?, exclama. Quando era adolescente, vendia confecções, lembranças diversas, comidas e até din-din.
 
Vendia tudo com um sorriso no rosto ? o mesmo da foto acima -, mas sempre levou tudo muito a sério, economizando o máximo que podia num tradicional cofrinho em forma de porco. Revela que sempre quis ser independente e que economizar foi o caminho encontrado.
 
O começo não foi fácil, mas ela tem a paciência como uma virtude. Estagiou em um complexo escolar no bairro Mocambinho. ?O estágio durou um ano. Mas mesmo depois que ele acabou, continuei estudando lá e trabalhando com as vendas?, lembra. Nossa colega disse que foi uma boa aluna, mas admite que era ?danada? na sala de aula. "Eu achava que sabia de tudo".
 
Josiana trabalhou no ?histórico? Armarinho São Pedro. Antes que aquela empresa tivesse fim, ela foi garota propaganda, caixa, atendente de balcão e passou para o setor de telefonia. ?Com o fim da empresa, passei 11 meses em casa, por opção
mesmo, para cuidar das crianças, muito novas na época?, explica.
 
Quase um ano sem trabalho fixo ela resolveu participar de uma seleção para entrar no Medplan. Sete candidatos e apenas uma vaga. ?Cheguei aqui para meu primeiro dia de trabalho em 27 de março de 1998?, não esquece. Foi um começo desafiante. Era apenas uma telefonista para dar conta da comunicação entre 33 ramais internos e 21 linhas externas, revezando os turnos com apenas mais uma funcionária. ?Mas tudo deu certo?, diz animada. Hoje, Josiana supervisiona o trabalho de 17 pessoas no Call Center Medplan, que funciona 24 horas. 
 

"Todo dia é uma nova oportunidade de ser melhor!"
Quem gosta do que faz e tem a disposição de Josiana, enxerga em todos os dias, uma nova oportunidade para ser melhor. ?Traz-me muita satisfação pensar assim?, afirma. Para desempenhar bem suas funções, ela não abre mão de muita organização. Sua fama de exigente e até de perfeccionista não é à toa. Admite ser um pouco mandona, mas assegura que não briga por besteira.
 
Josiana já fez vários cursos de qualificação, desde o mais básico atendimento ao cliente até cursos de gerenciamento empresarial. Tudo por conta do Medplan. ?Há de se reconhecer a preocupação da empresa com seus funcionários. Devo muito do que aprendi às pessoas daqui?, reconhece agradecida. 
  
Ainda assim, as amigas do Call Center já entregaram um detalhe que contrasta com todas essas informações do dia-a-dia de Josiana: a mania de esquecer coisas em todos os lugares, seja um copo ou telefone celular, carteira, chaves, bolsa...
?É sim...?, sorri ao entregar-se.
 
 
Outras coisas mais ...
 
Josiana e colegas do Call Center Medplan
Natural de Teresina, não esconde de ninguém sua paixão por viagens. A primeira delas, feita em 1988, realizada aos 19 anos juntamente com algumas amigas para Brasília. Aliás, foi o dinheiro poupado dos din-dins que viabilizou as ?férias? inteiras. Mas revela que sua melhor viagem foi a última, em que esteve na companhia de seu marido, Arthur, e de seus dois filhos, Diego (10) e Letícia (9).
 
O destino foi a capital do Rio Grande do Norte. ?Eles são minha vida. Tudo o que faço é pensando neles. E Natal é um sonho de cidade. Muito linda mesmo?, conta com saudades.
 
Se Mário Lago e Ataulfo Alves tivessem conhecido Josiana, certamente não teriam a menor saudade de Amélia. Aliás, tirariam da cabeça essa história de mulher sem vaidade. Josiana assegura que há sempre tempo para isso. ?Gosto de olhar para o espelho e sentir-me bem. Minha vaidade não é uma questão materialista, é de bem-estar mesmo?, frisa.
 
Essa mesma vaidade foi a causa de uma tatuagem, que ela tem há dois anos, uma borboleta. ?Dizem que traz sorte. Sempre gostei de tatuagem, admiro uma tatuagem bonita, mas já não vejo beleza em uma pessoa cheia de tatuagens. Estou satisfeita com apenas uma?, explica.
 
E ela não faz feio em casa. Sabe cozinhar muito bem. O portal Medplan não conseguiu constatar a versão de Josiana sobre este fato junto a seu marido nem seus filhos, porém o convite para um almoço preparado por ela já foi feito aos colegas para tirar essa história a limpo. Aliás, ela adora fazer massas e sobremesas. ?E o pavê que eu faço é pácomê?, brinca.
 
Além disso, borda e costura. As técnicas ela aprendeu com sua mãe, Ana Maranhão, que é costureira. Em casa, Josiana não pede ajuda para trocar lâmpadas, consertar torneiras e não se deixa enganar por mecânicos quando leva o carro a uma oficina. ?Pode ter certeza?, fala com segurança.  

Ela, que já foi pivô do time de handebol do colégio, traz consigo uma vontade de praticar esportes radicais. ?Muita vontade mesmo. Já até fiz vários planos com amigas para fazer trilhas e rapel em algum lugar aqui do Piauí?, conta. Mas não só isso. São muitos os dotes de Josiana, que ainda pretende formar-se em Direito. ?E não vai demorar?, promete.


por Marcos Melo
Fotos: Marcos Melo | Arquivo Pessoal
Edição: A.C.L
04/05/2007